Consumo consciente: a importância do Cruelty Free

Em um fundo de madeira rústica, há uma folha de bananeira bem verde, três flores brancas e amarelas. Um quadro de luz branco está em cima da folha e nele, escrito em letras pretas lê-se “cruelty free” em duas linhas e há um coração na terceira.

O consumo consciente é uma tendência que vem crescendo cada vez mais ao redor do mundo e também no Brasil. Mas mesmo antes dessa tendência, o movimento cruelty free já vinha trabalhando em sua luta pelo direito dos animais. 

Ao passo em que as pessoas passaram a prestar mais atenção no que consomem e a buscar produtos e marcas que se preocupem com seu impacto no meio ambiente, também foi aumentando a importância do cruelty free.

Cruelty Free, em tradução livre, significa “livre de crueldade” e é uma expressão utilizada para descrever produtos em geral que não foram testados em animais.

Atualmente, diversos países já firmaram acordos que proíbem o teste de cosméticos, assim como de produtos de higiene e de limpeza, em animais. No Brasil, apenas oito estados têm leis específicas quanto a isso e ainda não há uma legislação nacional.

Apesar disso, segundo uma pesquisa realizada pelo IBOPE, em parceria com o Humane Society International em 2018, 66% dos brasileiros apoiam uma proibição nacional de testes em animais. 61% dos entrevistados também afirmam que não há justificativa para o sofrimento dos bichos nesse tipo de teste.

Quer saber mais sobre o movimento Cruelty Free e como você pode contribuir? Continue lendo!

Movimento Cruelty Free: o que é?

Há dois coelhos cinzas na foto, um dele de frente para a câmera e o outro apoia sua cabeça na do primeiro.
Pelo fim da crueldade animal em testes farmacológicos de cosméticos e produtos pessoais, o movimento cruelty free tem crescido cada vez mais.

Quando compramos algum produto de beleza, higiene pessoal ou limpeza, precisamos ter a certeza de que não será prejudicial à nossa saúde. 

Por muitas vezes conterem ingredientes químicos e por termos contato direto com eles, é preciso que as empresas fabricantes garantam que eles são seguros e eficazes. 

Durante muito tempo e até hoje, laboratórios do mundo todo utilizam animais como cobaias em testes. Coelhos, cachorros, ratos e porquinhos da índia passam por experimentações desconfortáveis e doloridas, que muitas vezes levam à sequelas, para no final, serem eutanasiados. 

Pensando no sofrimento desses animais, o movimento cruelty free começou a lutar pelo fim desses testes e experimentações

Trabalhando com divulgação de informações, pressionando empresas e governos, as muitas organizações da causa conquistaram espaço e conseguiram mostrar aos poucos o quanto isso é errado.

Devido a isso e aos avanços tecnológicos, muitas marcas puderam substituir seus testes em animais por alternativas melhores e diversos países começaram a se posicionar.

O movimento cruelty free dissemina esse ideal de acabar com a crueldade com animais em nosso benefício e já no século XXI, os laboratórios têm toda a tecnologia necessária para que não sejam mais utilizados testes em seres vivos.

Organizações do movimento cruelty free

Existem diversas organizações que lutam pelos direitos dos animais e quando pensamos em posicionamento e regulamentação cruelty free, são três as principais:

  • Cruelty Free International

A Cruelty Free International é uma das mais antigas organizações de combate às experimentações em animais. Com mais de 100 anos de história, eles estão à frente de alguns dos maiores progressos conquistados e pesquisas científicas da área. 

Acreditando que não há justificativa ética para utilizar animais em testes, eles controlam o principal selo de produtos e marcas cruelty free, o Leaping Bunny.

  • PETA 

O People for Ethical Treatment of Animals, PETA, é uma das maiores organizações da causa animal e uma das mais conhecidas pelo mundo. Sua luta pelo direito dos animais vai além das experimentações químicas, tendo como foco o fim da exploração animal de forma geral.

Eles possuem um banco de dados sobre mais de cinco mil empresas e seus posicionamentos sobre testes em animais, também tendo um selo cruelty free próprio.

  • PEA

O Projeto Esperança Animal, PEA, é brasileiro e cuida da fiscalização de empresas nacionais. Com uma listagem de marcas cruelty free, a organização também luta contra toda forma de exploração animal.

O que é um produto cruelty free?

Produtos cruelty free são aqueles em que não há testagem animal em nenhuma das etapas da sua fabricação

Um produto só é realmente livre de crueldade quando nem mesmo seus ingredientes separados passaram por experimentações com cobaias e é aí que muitas empresas acabam pecando.

Mesmo que o produto final não seja testado em animais, pode ser que algum dos ingredientes na fórmula tenha passado, até em um outro laboratório, por esse tipo de teste.

Por isso, as marcas que desejam trabalhar com produtos cruelty free precisam se atentar também aos seus fornecedores.

Cruelty Free x Vegano

Muitas vezes quando falamos sobre produtos cruelty free, pode surgir a dúvida se isso é a mesma coisa que um produto vegano e não é. Uma marca vegana é sempre livre de crueldade, mas o contrário não acontece obrigatoriamente. 

Os dois são posicionamentos a favor dos animais e são alinhamentos de consumo consciente, mas o cruelty free luta pelo fim dos testes em cobaias e o veganismo é um estilo de vida que se propõe a ir contra a exploração humana de animais em geral. 

Isso quer dizer que os produtos veganos não vão passar por experimentações em cobaias, no entanto pode ser que um produto livre de crueldade ainda contenha em sua composição algum ingrediente de origem animal, como cera de abelha, mel ou leite.

Como são testados os produtos cruelty free?

Em uma mesa de laboratório, com uma luz azul, vemos um camundongo branco ao lado de beckers e recipientes.
A tecnologia nos trouxe diversas alternativas aos testes em animais.

Como dissemos, cosméticos, produtos de limpeza e de higiene pessoal, precisam ser testados para garantir que não vão trazer nenhum problema à nossa saúde.

A ANVISA, órgão regulador da vigilância sanitária brasileira, exige que qualquer produto de cuidado pessoal ou cosmético seja seguro para comercialização no país, mas não especifica quais testes precisam ser realizados para comprovar isso.

Sendo assim, não há uma obrigatoriedade na nossa legislação que fundamenta testes em cobaias animais, como no caso da China, por exemplo – e até mesmo eles já estão mudando de ideia.

Cada país tem seu próprio posicionamento quanto aos testes e como eles devem ser feitos, mas graças à novas tecnologias, não é mais necessário que isso seja feito em animais. 

Existem alternativas in vitro, em que são usados tecidos sintéticos que imitam a pele humana, assim como outras partes do corpo. E até mesmo a possibilidade de testes in vivo, aqueles com voluntários humanos. 

Além disso, existem softwares ultramodernos que podem fazer simulações matemáticas de possíveis reações do corpo humano a certas substâncias.

Ou seja, as empresas podem escolher não fazer testes em animais e essa não é mais uma opção fora da realidade igual anos atrás.

Como saber se um produto é cruelty free?

Na hora de descobrir se um produto é cruelty free você tem duas principais alternativas:

  • Procurar por um selo Cruelty Free direto na embalagem do produto;
  • Entrar em contato com o SAC da empresa, que é obrigado por lei a fornecer esclarecimentos sobre isso.

É bastante importante pesquisar por essa informação, pois muitas das marcas podem estar se passando por livre de crueldade e enganando os consumidores por problemas na cadeia produtiva.

No caso de itens norte-americanos essa pesquisa é ainda mais essencial, pois o FDA, a agência responsável pela liberação da comercialização de produtos nos Estados Unidos, não regulamenta esse tipo de coisa.

Principais selos cruelty free

Com toda essa incerteza do mercado e da legislação, as organizações cruelty free se mobilizaram para criar certificações próprias que indicassem essas marcas e produtos.

Assim, surgiram alguns selos especiais para identificar empresas que se comprometeram, em toda sua produção, a não utilizarem testes em animais. 

A maioria desses selos trazem coelhos em sua identidade visual, pois, infelizmente, são o animal mais usado como cobaia e representam o posicionamento contra esse tipo de teste.

Abaixo, temos os principais selos cruelty free para você conhecer e se atentar na hora de comprar algum produto:

Leaping Bunny

O selo da Leaping Bunny é um coelho de lado pulando que é traçado em preto, com duas estrelas pretas em cada lado e um círculo sem fechado em azul em volta.

O Leaping Bunny é o selo criado em parceria da Cruelty Free Organization com outras oito ONGs e regulamenta empresas do mundo todo. São mais de 2100 marcas identificadas com ele e elas passam por auditorias próprias antes de recebê-lo.

PETA Approved

O logo do PETA Approved é feito em preto e rosa claro. No canto esquerdo, há o desenho em preto de um coelho estilizado e suas orelhas são preenchidas em rosa. Ao lado do coelho, está o logo da PETA em rosa e escrito embaixo dele, lê-se cruelty free.

Para receber o selo PETA Approved é preciso passar por uma investigação da própria organização e comprovar que não há testes em animais na cadeia produtiva da marca.

PEA

O selo da PEA é todo em preto, com o nome da organização e um desenho estilizado de um pássaro em cima.

Já o selo da brasileira PEA foca no mercado nacional. Ele traz uma lista de empresas comprometidas com o movimento contra crueldade animal e que passaram por seus regulamentos internos.

Importância do consumo cruelty free

 Foto de uma mulher branca e ruiva segurando um coelho marrom claro para ilustrar o movimento cruelty free.
Nossas escolhas influenciam o mercado e foi assim que o consumo de cruelty free tem impactado no número de marcas comprometidas com isso.

O cruelty free faz parte de um movimento de consumo consciente muito importante. 

Ao repensarmos nosso consumo e a maneira com a qual isso afeta o meio ambiente e as pessoas, também precisamos confrontar a exploração animal.

Sabendo que esse tipo de teste com cobaias não é necessário para que os produtos sejam considerados seguros para nosso uso, por que continuar a contribuir com o sofrimento animal?

A Slow Beauty tem um compromisso sustentável e o respeito é um de nossos valores mais importantes. 

Quando trazemos uma marca para ser nossa parceira, também nos representamos através dela e por isso, trabalhamos com empresas que nos orgulham e que pensam como nós.

Todas nossas marcas parceiras são cruelty free e não testam seus produtos em animais, além de terem a sustentabilidade como compromisso. 

Se estiver procurando linhas que vão te deixar ainda mais bonita, sem precisar se preocupar com isso, garantimos que Ahava, Beauts, Cativa Natureza e Cris Dios Organics não vão decepcionar!

Gostou desse conteúdo? Leia mais sobre um estilo de vida consciente em nosso blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *