Cuidados com a vagina: higiene íntima e saúde

Na foto vemos o quadril e barriga de uma mulher de pele morena. Ela veste uma calcinha clara, sem costura e segura em sua frente um coletor menstrual com uma pequena flor branca dentro. Foto de Sora Shimazaki no Pexels.

A região íntima feminina ainda é um grande tabu e por isso, muitas vezes, os cuidados com a vagina acabam sendo censurados e negligenciados. Mas por quê a vagina é tratada de forma tão equivocada?

Na maior parte dos casos, é uma questão de repressão, que cria um estigma sobre órgãos genitais, corpos femininos e sexualidade e isso se traduz em uma falta de autoconhecimento.

Recentemente, a Nielsen Brasil, Troiano Branding e a Intimus realizaram uma pesquisa com quase quatrocentas mulheres de 16 a 45 anos em três regiões do país e 68% das entrevistadas afirmou ter alguma insatisfação com sua vagina.

Intitulado “Os Estigmas da Vagina”, o estudo traz dados sobre a relação das mulheres brasileiras com sua vulva, seus corpos e sua saúde. E revela que grande parte delas não se sente confortável em tocar no assunto – ou em si mesma.

Reclamações sobre a aparência geral da região íntima, como pelos, cor e tamanho, além de desconhecimento até mesmo sobre o que é cada parte da vulva, mostram o quanto precisamos falar sobre cuidados com a vagina.

Autoconhecimento é fundamental

Foto de uma mulher branca usando uma calcinha branca com drapeados nas costuras. Mostrando em foco o começo da sua barriga e terminando no começo das coxas, ela está com a mão no cós e tem as unhas pintadas em tons pastéis. Foto de Billie no Unsplash.
Autoconhecimento também é uma das formas de cuidado com a vagina, pois para identificar problemas, é preciso conhecer bem a sua vulva.

O primeiro passo para uma mudança dessa realidade é o autoconhecimento. 

É simples, quando conhecemos melhor alguma coisa, ela passa a causar menos estranhamento e a ser tratada com mais naturalidade.

Vulva x Vagina

Vamos começar pela nomenclatura, dando nomes certos para lugares certos. O que comumente chamamos de vagina, na verdade, é a vulva. 

A vagina é uma cavidade revestida em mucosa, que comunica a vulva com o útero. Ela é o canal de saída de menstruação e por onde nascem os bebês, basicamente um tubo.

A vulva é toda a região externa do órgão genital feminino, do ânus até o monte pubiano, incluindo grandes e pequenos lábios, uretra e clitóris.

E é importante entender essa diferença, principalmente para saber quais são os cuidados especiais com cada uma delas e como fazer a higiene adequada.

Se conhecer para se cuidar

Além da naturalização, o autoconhecimento também está muito ligado ao autocuidado e a saúde. Afinal, só sabemos que algo não está bem em nosso corpo quando nos conhecemos.

Pela falta de intimidade com si, estranha-se os funcionamentos normais da vagina e vulva e acredita-se que tem algo de errado. Por exemplo, alguns tipos de corrimentos e até mesmo o odor natural.

Claro que na eventualidade de cheiros muito fortes ou corrimentos atípicos, pode ser o caso de algum problema, disfunção hormonal, fungo ou bactéria, mas é preciso conhecer bem seu corpo para poder identificar isso.

Por ser uma mucosa, é perfeitamente normal e natural que haja secreção e odor. Pessoas adultas têm hormônios, pelos e cheiros e não há nada para se envergonhar.

Todo corpo é diferente

Não há ninguém igual a nós no mundo, e que bom, né? 

Todo corpo é diferente e o mesmo vale para vaginas e vulvas. Existem tons de pele diferentes, algumas vulvas com mais ou menos pelos, outras com lábios maiores, menores e isso é normal!

Até mesmo para uma região tão íntima há um padrão estético considerado mais bonito, o que é uma grande besteira. 

Isso pode trazer muitas inseguranças e levar a busca por tratamentos, produtos e até mesmo cirurgias plásticas. Muitas vezes, essas intervenções estéticas têm consequências ruins para a saúde da vaginal, então é preciso tomar cuidado e refletir bem antes de fazer alguma coisa.

O mais importante é que sua vulva e vagina estejam saudáveis!

Cuidados com a vagina e vulva: higiene íntima

Foto de uma mulher de perfil tomando banho.
A vagina e a vulva são regiões delicadas e é preciso cuidado na higiene íntima.

Uma das partes mais importantes no cuidado com a vagina e a vulva é a higiene íntima. E como partes diferentes, elas precisam de cuidados distintos!

Cuidado com o papel higiênico

Parece estranho falar sobre tomar cuidado com o papel higiênico, mas essa é uma verdade. Essa folha tão fininha pode acabar causando alguma irritação na sua vulva e até mesmo levando bactérias para a sua vagina.

Quando for se limpar, use sempre o papel higiênico fazendo um movimento de frente para trás, principalmente na hora do cocô. Isso porque, assim, você evita trazer as bactérias para sua vagina e vulva.

E sempre que possível, prefira usar uma ducha externa e lavar a área, ao invés de usar o papel, pois o atrito pode irritar a pele. Evite usar folhas mais ásperas ou perfumadas.

Tenha com você lenços umedecidos

Sabemos que com uma rotina agitada, passando a maior parte do tempo fora de casa, é difícil conseguir manter a higiene tão boa e dificilmente há duchas em banheiros públicos.

Para fugir do papel higiênico áspero e de lugares mais sujos, os lenços umedecidos são uma ótima ajuda e bastante práticos. Escolha opções mais neutras, como aqueles infantis, por não terem álcool ou perfumes, para evitar qualquer tipo de irritação ou alergia.

Eles costumam ter substâncias com detergência e são menos abrasivos, então fazem uma boa limpeza externa.

Hora do banho

É no banho que costuma-se ter problemas na hora dos cuidados com a vagina e a vulva. E acredite, muitos deles são por pecar pelo excesso.

Você sabia que você não deve lavar a vagina? Apenas a vulva!

A vagina é autolimpante e se você fizer alguma intervenção, muito provavelmente, isso vai alterar o pH da região e trazer problemas.

As chamadas duchas íntimas são extremamente agressivas para a vagina, pois retiram a camada de bactérias benéficas presentes na mucosa, que são suas defesas naturais. Isso deixa sua vagina suscetível a infecções e se for feito de forma recorrente, os micro-organismos bons podem abrir espaço para os ruins e resultar em vaginose bacteriana.

A ducha íntima pode ser realizada em alguns casos de alterações no pH, mas apenas com recomendação médica e remédios específicos.

Já a vulva, deve sim ser lavada todos os dias, delicadamente.

Nesse caso, é preciso lavar com cuidado para retirar o esmegma natural produzido pelo corpo. Esse acúmulo de células epiteliais, óleo e gordura genital pode ser eliminado com o uso de apenas água.

Se quiser, é possível utilizar um pouco de sabonete neutro ou sabonete íntimo, mas sem excessos e com movimentos circulares leves. Sabonetes hidratantes e bactericidas não são recomendados, pois podem causar irritações. 

Cuidados com a vagina e vulva na menstruação

Foto de alguns itens dispostos sob um fundo rosa para falar sobre cuidados com a vagina durante a menstruação.. Um coletor menstrual, alguns absorventes descartáveis e uma calcinha branca.
Independentemente de qual seja seu acessório menstrual, durante essa época do mês, os cuidados com a vagina devem ser redobrados.

Durante a menstruação, os cuidados com a vagina e a vulva devem ser redobrados! É importante prestar bastante atenção na hora de fazer a higiene íntima, para garantir que não haja problemas.

O sangue altera o pH vaginal, além de ser como uma cultura de bactérias, então, é bastante comum que role um desconforto, que deve ser monitorado.

Absorventes descartáveis x Coletores

Não só a questão da limpeza importa nesse momento. O seu acessório menstrual escolhido também faz diferença na sua saúde vaginal e na sua rotina.

Por possuir camadas plásticas, os protetores descartáveis impedem a pele da vulva de respirar, o que faz com que lá embaixo fique abafado e quente, ou seja, um ambiente perfeito para bactérias.

Por isso, precisam ser trocados com uma frequência maior, especialmente se o fluxo menstrual for intenso. O que resulta também em mais lixo produzido.

Se você preferir utilizar um coletor menstrual, as recomendações para cuidados com a vagina são de sempre lavar bem as mãos antes de colocar ou retirar o copinho.

E claro, após o fim do ciclo, higienizá-lo direito e armazená-lo em uma local limpo e seco

Os coletores menstruais podem ser usados por até 12 horas e são feitos de silicone hipoalergênico, que impede a proliferação de bactérias.

Atenção para os produtos!

A região íntima é bastante sensível, portanto, é preciso atenção com produtos que vão ser utilizados.

Na hora do banho, é recomendado que se evite o uso de sabonetes de corpo. Sabonetes íntimos ou sabonetes neutros são mais indicados, por terem um pH mais ácido e próximo ao da vagina. 

Quando for escolher um lubrificante, prefira os que são mais naturais, à base de água, livres de álcool ou parabenos. Fuja de lubrificantes perfumados e não utilize alimentos.

E um consenso entre todos os ginecologistas é que a sua vagina e sua vulva não precisam – nem devem – ser perfumadas ou hidratadas, por isso, não use desodorantes íntimos ou hidratantes normais. Se sentir um ressecamento diferente, vá ao médico.

Hábitos bons para a saúde da sua vagina

Foto de uma mulher branca virada de costas em um fundo roxo. Ela usa uma calcinha preta, blusa curta branca e segura um ramo de flores.
A saúde vaginal depende de cuidados com a vulva e alguns hábitos de higiene íntima no dia a dia.

Além de todos esses cuidados com a vagina e vulva, existem alguns hábitos do dia a dia que podem contribuir para manter sua região íntima saudável:

  • Boa alimentação;
  • Dormir sem calcinha ou com calcinha de algodão;
  • Fazer xixi após o sexo;
  • Se lavar – ou higienizar bem – após o sexo;
  • Banhos de assento;
  • Evitar roupas muito apertadas e calcinhas de materiais sintéticos;
  • Não ficar com roupa de banho úmidas por muito tempo;
  • Fugir de protetores diários descartáveis;
  • Não deixar a roupa íntima secando no banheiro;
  • Ir regularmente ao ginecologista.

A higiene íntima e os cuidados com a vagina e vulva não devem ser um tabu. Esse é um assunto que precisa ser discutido sem culpa ou vergonha, afinal, essas são partes do corpo como qualquer outra.

Gostou das dicas? Em nosso blog, você encontra outros conteúdos sobre esse assunto e muito mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *